Letras de canciones - Letras.com

Brasília, Sinfonia da Alvorada

Vinicius de Moraes

No príncipio era o ermo
Eram antigas solidões sem mágoa.
O altiplano, o infinito descampado
No princípio era o agreste:
O céu azul, a terra vermelho-pungente
E o verde triste do cerrado.
Eram antigas solidões banhadas
De mansos rios inocentes
Por entre as matas recortadas.
Não havia ninguém. A solidão
Mais parecia um povo inexistente
Dizendo coisas sobre nada.
Sim, os campos sem alma
Pareciam falar, e a voz que vinha
Das grandes extensões, dos fundões crepusculares
Nem parecia mais ouvir os passos
Dos velhos bandeirantes, os rudes pioneiros
Que, em busca de ouro e diamantes,
Ecoando as quebradas com o tiro de suas armas,
A tristeza de seus gritos e o tropel
De sua violência contra o índio, estendiam
As fronteiras da pátria muito além do limite dos tratados.
- Fernão Dias, Anhanguera, Borba Gato,
Vós fostes os heróis das primeiras marchas para o oeste,
Da conquista do agreste
E da grande planície ensimesmada!
Mas passastes. E da confluência
Das três grandes bacias
Dos três gigantes milenares:
Amazonas, São Francisco, Rio da Prata ;
Do novo teto do mundo, do planalto iluminado
Partiram também as velhas tribos malferidas
E as feras aterradas.
E só ficaram as solidões sem mágoa
O sem-termo, o infinito descampado
Onde, nos campos gerais do fim do dia
Se ouvia o grito da perdiz
A que respondia nos estirões de mata à beira dos rios
O pio melancólico do jaó.
E vinha a noite. Nas campinas celestes
Rebrilhavam mais próximas as estrelas
E o Cruzeiro do Sul resplandecente
Parecia destinado
A ser plantado em terra brasileira:
A Grande Cruz alçada
Sobre a noturna mata do cerrado
Para abençoar o novo bandeirante
O desbravador ousado
O ser de conquista
O Homem!

II / O HOMEM

Sim, era o Homem,
Era finalmente, e definitivamente, o Homem.
Viera para ficar. Tinha nos olhos
A força de um propósito: permanecer, vencer as solidões
E os horizontes, desbravar e criar, fundar
E erguer. Suas mãos
Já não traziam outras armas
Que as do trabalho em paz. Sim,
Era finalmente o Homem: o Fundador. Trazia no rosto
A antiga determinação dos bandeirantes,
Mas já não eram o ouro e os diamantes o objeto
De sua cobiça. Olhou tranqüilo o sol
Crepuscular, a iluminar em sua fuga para a noite
Os soturnos monstros e feras do poente.
Depois mirou as estrelas, a luzirem
Na imensa abóbada suspensa
Pelas invisíveis colunas da treva.
Sim, era o Homem...
Vinha de longe, através de muitas solidões,
Lenta, penosamente. Sofria ainda da penúria
Dos caminhos, da dolência dos desertos,
Do cansaço das matas enredadas
A se entredevorarem na luta subterrânea
De suas raízes gigantescas e no abraço uníssono
De seus ramos. Mas agora
Viera para ficar. Seus pés plantaram-se
Na terra vermelha do altiplano. Seu olhar
Descortinou as grandes extensões sem mágoa
No círculo infinito do horizonte. Seu peito
Encheu-se do ar puro do cerrado. Sim, ele plantaria
No deserto uma cidade muita branca e muito pura...

Citação de Oscar Niemeyer

- "... como uma flor naquela terra agreste e solitária…"
- Uma cidade erguida em plena solidão do descampado.
Niemeyer
- " ... como uma mensagem permanente de graça e poesia..."
- Uma cidade que ao sol vestisse um vestido de noivado
Niemeyer
- " ... em que a arquitetura se destacasse branca, como que flutuando na imensa escuridão do planalto..."
- Uma cidade que de dia trabalhasse alegremente
Niemeyer
- "…numa atmosfera de digna monumentalidade..."
- E à noite, nas horas do langor e da saudade
Niemeyer
- " ... numa luminação feérica e dramática..."
- Dormisse num Palácio de Alvorada!
Niemeyer
- " ... uma cidade de homens felizes, homens que sintam a vida em toda a sua plenitude, em toda a sua fragilidade; homens que compreendam o valor das coisas puras..."
- E que fosse como a imagem do Cruzeiro
No coração da pátria derramada.

Citação de Lucio Costa

- "…nascida do gesto primário de quem assinala um lugar ou dele toma posse: dois eixos que se cruzam em ângulo reto, ou seja, o próprio sinal da cruz."

III / A CHEGADA DOS CANDANGOS

Tratava-se agora de construir: e construir um ritmo novo.

Para tanto, era necessário convocar todas as forças vivas da Nação, todos os homens que, com vontade de trabalhar e confiança no futuro, pudessem erguer, num tempo novo, um novo Tempo.
E, à grande convocação que conclamava o povo para a gigantesca tarefa começaram a chegar de todos os cantos da imensa pátria os trabalhadores: os homens simples e quietos, com pés de raiz, rostos de couro e mãos de pedra, e que, no calcanho, em carro de boi, em lombo de burro, em paus-de-arara, por todas as formas possíveis e imagináveis, começaram a chegar de todos os lados da imensa pátria, sobretudo do Norte; forarn chegando do Grande Norte, do Meio Norte e do Nordeste, em sua simples e áspera doçura; foram chegando em grandes levas do Grande Leste, da Zona da Mata, do Centro-Oeste e do Grande Sul; foram chegando em sua mudez cheia de esperança, muitas vezes deixando para trás mulheres e filhos a aguardar suas promessas de melhores dias; foram chegando de tantos povoados, tantas cidades cujos nomes pareciam cantar saudades aos seus ouvidos, dentro dos antigos ritmos da imensa pátria...

Dois locutores alternados

- Boa Viagem! Boca do Acre! Água Branca! Vargem Alta! Amargosa! Xique-Xique! Cruz das Almas! Areia Branca! Limoeiro! Afogados! Morenos! Angelim! Tamboril! Palmares! Taperoá! Triunfo! Aurora! Campanário! Águas Belas! Passagem Franca! Bom Conselho! Brumado! Pedra Azul! Diamantina! Capelinha! Capão Bonito! Campinas! Canoinhas! Porto Belo! Passo Fundo!
Locutor no 1
- Cruz Alta...
Locutor no 2
- Que foram chegando de todos os lados da imensa pátria...
Locutor no 1
- Para construir uma cidade branca e pura...
Locutor n 2
- Uma cidade de homens felizes...

IV / O TRABALHO E A CONSTRUÇÃO

- Foi necessário muito mais que engenho, tenacidade e invenção. Foi necessário 1 milhão de metros cúbicos de concreto, e foram necessárias 100 mil toneladas de ferro redondo, e foram necessários milhares e milhares de sacos de cimento, e 500 mil metros cúbicos de areia, e 2 mil quilômetros de fios.
- E 1 milhão de metros cúbicos de brita foi necessário, e quatrocentos quilômetros de laminados, e toneladas e toneladas de madeira foram necessárias. E 60 mil operários! Foram necessários 60 mil trabalhadores vindos de todos os cantos da imensa pátria, sobretudo do Norte! 60 mil candangos foram necessários para desbastar, cavar, estaquear, cortar, serrar, pregar, soldar, empurrar, cimentar, aplainar, polir, erguer as brancas empenas...
- Ah, as empenas brancas! -
- Como penas brancas...
- Ah, as grandes estruturas!
- Tão leves, tão puras...
Como se tivessem sido depositadas de manso por mãos de anjo na terra vermelho-pungente do planalto, em meio à música inflexível, à música lancinante, à música matemática do trabalho humano em progressão ...
O trabalho humano que anuncia que a sorte está lançada e a ação é irreversível.

Cantochão

E ao crespúsculo, findo o labor do dia, as rudes mãos vazias de trabalho e os olhos cheios de horizontes que não têm fim, partem os trabalhadores para o descanso, na saudade de seus lares tão distantes e de suas mulheres tão ausentes. O canto com que entristecem ainda mais o sol-das-almas a morrer nas antigas solidões parece chamar as companheiras que se deixaram ficar para trás, à espera de melhores dias; que se deixaram ficar na moldura de uma porta, onde devem permanecer ainda, as mãos cheias de amor e os olhos cheios de horizontes que não têm fim. Que se deixaram ficar muitas terras além, muitas serras além, na esperança de um dia, ao lado de seus homens, poderem participar também da vida da cidade nascendo em comunhão com as estrelas. Que viram, uma manhã, partir os companheiros em busca do trabalho com que lhes dar uma pequena felicidade que não possuem, um pequeno nada com que poder sentir brilhar o futuro no olhar de seus filhos. Esse mesmo trabalho que agora, findo o labor do dia, encaminha os trabalhadores em bando para a grande e fundamental solidão da noite que cai sobre o planalto…

" Deste planalto central, desta solidão que em breve se transformará em cérebro das altas decisões nacionais, lanço os olhos mais uma vez sobre o amanhã do meu país e antevejo esta alvorada com fé inquebrantávele uma confiança sem limites no seu grande destino."
(Brasília, 2 de outubro de 1956)
Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira

V / CORAL

I II III
Coro Coro Coro
Masculino Masculino Misto
Brasília Brasília Brasília
Brasília Brasília Brasília
Brasília Brasília Brasília
Brasília Brasília Brasília
Brasília Brasília Brasília
BRASIL! BRASIL! BRASIL!

VI

Terra de sol
Terra de luz
Terra que guarda no céu
A brilhar o sinal de uma cruz
Terra de luz
Terra-esperança, promessa
De um mundo de paz e de amor
Terra de irmãos
Ó alma brasileira ...
... Alma brasileira ...
Terra-poesia de canções e de perdão
Terra que um dia encontrou seu coração

Brasil! Brasil!
Ah... Ah... Ah...
B r a s í 1 i a!
Dlem! Dlem!
Ô ... ô... ô... ô

Composición: Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim · Ese no és el compositor? Avisenos.
61 reproducciones
Ver más fotos
  1. Samba da Bênção
  2. Chega de Saudade
  3. Berimbau
  4. Canto de Ossanha
  5. Tomara
  6. A Casa
  7. A Felicidade
  8. Soneto do Amor Total
  9. Soneto de Fidelidade
  10. Tristeza
  11. Minha Namorada
  12. Samba Em Prelúdio
  13. Insensatez
  14. Tarde Em Itapoã
  15. Para Viver Um Grande Amor
  16. Onde Anda Você
  17. Garota de Ipanema
  18. Eu Sei Que Vou Te Amar
  19. Como Dizia o Poeta
  20. Lamento No Morro
  21. Medo de Amar
  22. Canto de Xangô
  23. Soneto de Separação
  24. Receita de Mulher
  25. Tristeza e Solidão
  26. Samba da Rosa
  27. O Velho e a Flor
  28. Essa Menina
  29. O Que Tinha de Ser
  30. Regra Três
  31. Apelo
  32. Canto de Oxum
  33. Carta ao Tom
  34. Sei Lá a Vida Tem Sempre Razão
  35. O Astronauta
  36. Poema Dos Olhos da Amada
  37. Testamento
  38. A Arca de Noé
  39. Você e Eu
  40. Maria Vai Com As Outras
  41. Morena Flor
  42. Quando Tu Passas Por Mim
  43. Se Todos Fossem Iguais a Você
  44. Dia da Criação
  45. Canto de Iemanjá
  46. Pra Que Chorar
  47. A Bênção, Bahia
  48. A Terra Prometida
  49. Água de beber
  50. Catendê
  51. Soneto do Amigo
  52. Soneto de Aniversário
  53. Deixa
  54. Rosa de Hiroshima
  55. Samba de Orly
  56. Por Toda a Minha Vida
  57. Seja Feliz
  58. Mulher Carioca
  59. Saudade de Amar
  60. Soneto de Intimidade
  61. Ternura
  62. O Pato
  63. Chorando pra Pixinguinha
  64. No Colo da Serra
  65. O Bem-amado
  66. Turbilhão
  67. Um Novo Dia
  68. O Amor Em Paz
  69. O Relógio
  70. Só Danço Samba
  71. Soneto do Maior Amor
  72. Soneto da Mulher Ideal
  73. Irene
  74. O Nosso Amor
  75. Dora
  76. Gente Humilde
  77. Ausência
  78. Eu Não Existo Sem Você
  79. Menina Das Duas Tranças
  80. Sabe Você
  81. Serenata do Adeus
  82. Mulher, Sempre Mulher
  83. Eu e o Meu Amor
  84. Modinha
  85. Valsa de Eurídice (Eurídice)
  86. Sem Você
  87. Além do Amor
  88. Broto Maroto
  89. Bocochê
  90. Marcha de Quarta-Feira de Cinzas
  91. A Brusca Poesia da Mulher
  92. Por Você
  93. A Uma Mulher
  94. A Tonga da Mironga do Kabuletê
  95. Eu Não Tenho Nada a Ver Com Isso
  96. A Flor da Noite
  97. Cotidiano n°2
  98. São Demais Os Perigos Desta Vida
  99. Paiol de Pólvora
  100. Patota de Ipanema
  101. Meu Pai Oxalá
  1. Como É Duro Trabalhar
  2. Samba do Jato
  3. Se Ela Quisesse
  4. Conjugação da Ausente
  5. Choro Chorado Pra Paulinho Nogueira
  6. O Filho Que Eu Quero Ter
  7. Tá Difícil
  8. Decididamente
  9. Pobre de Mim
  10. Rosário
  11. Poema Enjoadinho
  12. O Mais-que-perfeito
  13. O Poeta Aprendiz
  14. Dialética
  15. O Haver
  16. Pela Luz Dos Olhos Teus
  17. Por Que Será
  18. Amigos Meus
  19. Corujinha
  20. As Abelhas
  21. A Porta
  22. O Gato
  23. O Girassol
  24. O Porquinho
  25. A Formiga
  26. Teleco-teco
  27. Ela É Carioca
  28. O Operário Em Construção
  29. Soneto de Véspera
  30. Aquarela
  31. Brigas Nunca Mais
  32. Januária
  33. Menininha
  34. Quando a Noite Me Entender
  35. Arrastão
  36. Canção Para Alguém
  37. Andam Dizendo
  38. Eu Te Amo, Amor
  39. Formosa
  40. Gilda
  41. Rancho Das Namoradas
  42. Samba da Volta
  43. Monólogo de Orfeu
  44. Um Nome de Mulher
  45. Caminho De Pedra
  46. Luciana
  47. Janelas abertas
  48. Estrada Branca
  49. Vida Bela (Praia Branca)
  50. Canção do Amor Demais
  51. Canta, Canta Mais
  52. Só Por Amor
  53. Labaredas
  54. É Hoje Só
  55. Deve Ser Amor
  56. Samba do Café
  57. Linda Baiana
  58. Amei Tanto
  59. Garota Porongondon
  60. Tempo Feliz
  61. Bom Dia, Amigo
  62. Bonita Demais
  63. Tempo de Amor (Samba do Veloso)
  64. Poética I e Poética II
  65. Canção do Amanhecer
  66. Primavera
  67. Zambi
  68. Pedro, Meu Filho...
  69. Sem Mais Adeus
  70. Lamento
  71. Vinícius, Poeta do Encontro Se Todos Fossem Iguais a Você
  72. A Volta da Mulher Morena
  73. Soneto a Katherine Mansfield
  74. O Falso Mendigo
  75. Desespero da Piedade
  76. Quarto Soneto de Meditação
  77. Cântico
  78. Sob o Trópico de Câncer
  79. Saudades do Brasil Em Portugal
  80. Valsa Para o Ausente
  81. Samba de Gésse
  82. Mais Um Adeus
  83. A Vez do Dombe
  84. O Grande Apelo
  85. Melancia e Coco Verde
  86. A Rosa Desfolhada
  87. Blues Para Emmett
  88. Canção Para o Grande Amor
  89. Meu Tempo
  90. Mr. Toquinho
  91. Algum Lugar
  92. Sem Razão de Ser
  93. Quem Ri Melhor
  94. Canção da Canção Que Nasceu
  95. O Céu É o Meu Chão
  96. Valsa Para Uma Menininha
  97. Tatamirô (Em louvor de Mãe Menininha)
  98. Canto de Oxalufã
  99. Veja Você
  100. Se o Amor Quiser Voltar
  101. Um Pouco Mais de Consideração
  1. Quem És?
  2. As Cores de Abril
  3. Uma Rosa Em Minha Mão
  4. Fogo Sobre Terra
  5. Planta Baixa
  6. Ai, Quem Me Dera
  7. Frevo de Orfeu
  8. A Carta Que Não Foi Mandada
  9. Triste Sertão
  10. Canto e Contraponto
  11. Sem Medo
  12. Tudo Na Mais Santa Paz
  13. Anoiteceu
  14. Um Homem Chamado Alfredo
  15. Eu Agradeço
  16. O Que É Que Tem Sentido Nesta Vida
  17. Samblues do Dinheiro
  18. Lamento de João
  19. Labirinto
  20. Além do Tempo
  21. João Não Tem de Quê
  22. Cara-De-Pau
  23. A Estrela Polar
  24. Quatro Sonetos de Meditação (I,II,lll e IV)
  25. Marina
  26. Allegro
  27. Epitáfio
  28. Mensagem À Poesia
  29. O Poeta e a Lua
  30. Poema de Natal
  31. Elegia Na Morte de Clodoaldo Pereira da Silva Moraes, Poeta e Cidadão
  32. A Hora Íntima
  33. O Mergulhador
  34. Balada da Moça do Miramar
  35. Feijoada À Minha Moda
  36. Soneto de Martha (La Flor Ilimitada)
  37. Estamos Aí
  38. Valsa do Bordel
  39. Até Rolar Pelo Chão
  40. Golpe Errado
  41. Caro Raul
  42. A Foca
  43. A Pulga
  44. Aula de Piano
  45. São Francisco (2ª Versão Musical)
  46. Abertura - Arca de Noé 2
  47. O Leão
  48. O Pingüim
  49. O Pintinho
  50. A Cachorrinha
  51. O Vento
  52. O Peru
  53. A Galinha d' Angola
  54. Os Bichinhos e o Homem
  55. Loura Ou Morena
  56. Brasília, Sinfonia da Alvorada
  57. Amor Que Partiu
  58. Em Algum Lugar
  59. Jardim Noturno
  60. Bem Pior Que a Morte
  61. A Mais Dolorosa Das Histórias
  62. Alma Perdida
  63. Ouve o Silêncio
  64. Acalanto da Rosa
  65. Balada da Flor da Terra
  66. Luar do Meu Bem
  67. Cantiga da Ausente
  68. Amor Em Lágrimas
  69. Hino da UNE
  70. Pátria Minha
  71. Olhe Aqui, Mr. Buster
  72. Valsa Sem Nome
  73. Samba do Pouso
  74. Olha Maria
  75. Cartão de Visita
  76. Tem Dó
  77. Derradeira Primavera
  78. Bom Dia, Tristeza
  79. O Poeta e a Rosa
  80. Soneto do Corifeu
  81. Poema de Auteil
  82. Mensagem a Rubem Braga
  83. Samba do carioca
  84. O Homem
  85. Rancho Das Flores
  86. Cala, Meu Amor
  87. Canção de Nós Dois
  88. Odeon
  89. Il Giorno Della Creazione
  90. Para Uma Menina Com Uma Flor
  91. Uma Mulher No Meio do Mar
  92. Soneto do Amor Como Um Rio
  93. Canção Em Modo Menor
  94. É Preciso Dizer Adeus
  95. O Morro Não Tem Vez
  96. Vai Levando
  97. Deixa Acontecer
  98. Meu Pranto Rolou
  99. Cem Por Cento
  100. Trecho
Canciones
Top canciones
Escuchando ahora oyentes
    Artistas
    Estilos Musicales
    Destacados
    Destacados Más Recientes
    Más