Letras de canciones - Letras.com

Tempos de Miúdo

Dealema

São tudo memórias…
Guardamos histórias …

Sintoniza a nostalgia, classe de 76
A vida gira, ao som do gira-discos saía magia
O verão era mais quente, 3 meses de inferno
No meu tempo, as poças de água congelavam no Inverno
A pobreza na infância passa ao lado
Não havia internet, havia a rua, o facebook era humano
Não esqueço o paladar do meu primeiro beijo,
O meu primeiro peido em grupo, todos a grizar com o cheiro
Em putos construíamos cabanas com entulho
Imaginação e sonho no seu estado mais puro
O S. João no bairro, brincadeiras perigosas
Ia à guna no eléctrico para a praia de Matosas
Bmx, primeiro grande terno, grande queda
Conhecer a música foi fácil, ela estava à minha espera
Escorregava monte abaixo, sentado em papelão
Velha escola, a nova escola, como o fizz de limão

Sim, eu quero reviver os bons momentos
Sentir o calor na pele dos dias solarengos
Entrar na máquina e regressar no tempo,
Correr pelo recreio ao sabor do vento.
Sim, mantenho viva a criança em mim
Com estas memórias todas que não têm fim
Enquanto o vinil não pára no gira-discos
Quem me dera ter feito nalguns menos riscos
Sim, horas a fio a jogar com o meu primo
Risca o monopólio enquanto afino
O leitor ZX sprectrum 48K
Logo pedalo na Bmx mais uma etapa
Sim, os olhos brilham como berlindes
Sorriso nos lábios porque a vida é simples
Dizia muitas vezes que não queria ser adulto
Acho que decidi que iria pra sempre ser puto

(Agora)
São tudo memórias, de tempos que não voltam mais
Guardamos histórias que nos esquecemos jamais
É tudo passado, aquilo que fomos
Mas se não sabes de onde vens, não sabes pra onde vais

Cresci algures entre uma cave num ilha e uma casa térrea
Entre a névoa colori túneis, passeios na linha férrea
No meu lar doce lar, a incrível Serra do Pilar
Subo e volto de novo ao mosteiro, pra me poder inspirar
Era um puto com um sonho, mas hoje sonho em ser um puto
E voltar atrás no tempo, não ter de conhecer o luto
Voltar às rondas de escondas naquela rua de trás
E girar com os medalhões com grandes símbolos da paz
Campeonatos de futebol? Nós ditávamos as regras
Queimados pelo sol no velho campo do Bairro das Pedras
Descíamos telhados, tal e qual ninjas na película
Pra roubar castanhas nas traseiras da Real Vinícola
Bandidos especialistas no assalto à fruta
A ver se resulta, fazíamos de conta que não tínhamos culpa
Fizemos bestas de cruzetas, carrinhos de rolamento
Ski na rua em persiana, maluqueiras doutros tempos

Eu quero ver-te feliz, como no dia em que me deste à luz
Memórias de criança, doces lembranças, enquanto carrego a minha cruz
Tudo aquilo que eu te fiz passar,
Eu sei, mãe continuo a te amar
Tanta luta, tanta pressão,
Pra ser alguém na vida e dar a lição
És um exemplo para mim de força e amor sem fim
Dias a fio, nem tinhas sossego
Nem dormias com dois empregos
Fizeste tudo por mim, não esqueci
És das pessoas mais fortes que eu conheci
Sim estou a falar para ti… Mãe

(Agora)
São tudo memórias, de tempos que não voltam mais
Guardamos histórias que nos esquecemos jamais
É tudo passado, aquilo que fomos
Mas se não sabes de onde vens, não sabes pra onde vais

Composición: Sabe quien és el compositor? Envíenos.
Añadido por Ana
436 reproducciones
Ver más fotos
Canciones
Top canciones
Escuchando ahora oyentes
    Artistas
    Estilos Musicales
    Destacados
    Destacados Más Recientes
    Más